Ela, de novo

Sinto tanta saudade. Já foi pior, mas saudade é saudade. Ela vem acompanhada da distância. Aquela desgraçada, sem graça alguma. Distância á uma coisa que merece cuidado. Costumo lidar bem com ela, até que... Eu tenho medo dela. Essa distância é traiçoeira.
Ai, que saudade. Nem chega a doer, agora ela já me tomou por inteira. Eu deixo e não abro o bico. Eu devo gostar dela, no fundo, senão não a teria como companheira de vida há um bom tempinho. Ainda bem que agora mato o meu tempo com outras coisas interessantes e ela dá uma saidinha de vez em quando. Mas é só um piscar em falso e pimba! Ela está ali novamente. 
Eu queria estar perto. Ontem, hoje, amanhã. Eu fiquei, meu Deus que complicação. Eu fiquei querendo ir. Burra. Mas não dava... Ou será que dava? Culpa, vá embora.
Ai meu Deus, que a saudade não me faça chorar e que a distância diminua logo, logo, logo.
E não volte a crescer. 
Impossível. 
Merda.

Comentários

  1. A saudade é meio como uma daquelas criaturas mitológicas... Por mais que a matemos, ela revive e volta mais forte.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tal como uma fênix, talvez?
      Adorei a sua frase, GK!
      Obrigada por compartilhá-las aqui! :)
      Beijos,
      Priscilla

      Excluir
    2. Exatamente!
      Quem agradece sou eu! É um grande prazer vir aqui!
      GK

      Excluir
    3. Que bommm! Thanks! :D
      Pri

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas