Eu, sem rodeios

Eu adoro as minhas manias. Ou seriam as minhas neuras? No fundo uma deve ser o sinônimo da outra. Então, tanto faz, gosto delas de qualquer jeito. Elas devem ser tão chatas e estranhas que devem fazer parte do meu encanto. Afinal, temos que gostar das estranhezas do outro para o coração pulsar de verdade por aquela pessoa especial. (Resquícios do dia 12? Talvez...) Arrisco dizer que ele mora no meu coração por causa também, mesmo um tantinho que for, de alguns hábitos que ele não abre mão e eu aprendi a respeitar. Acho graça. Talking about me, eu admito, confesso, revelo... Sou uma escrava perante essas "esquisitices". Porque eu só saio de casa se calcei primeiro o pé direito. Aliás, nem dentro de casa eu ando de pantufa se coloquei o pé esquerdo primeiro. Deus me livre! Já começo pensar que mil e uma tragédias vão acontecer. Posso estar mega atrasada, mas vou parar e sentar e calçar o pé direito primeiro. Uma mania do tipo superstição. Melhor não dar chance para o azar. Eu me previno. Pense o que quiser. Porque só começar com o pé direito quando muda de casa, de trabalho, de namorado? Eu começo com o pé direito todo santo dia. Outra dessas minhas particularidades é chegar em casa e tirar o anel, os brincos e as pulseiras. Enquanto eu estou fora de casa, esses acessórios não me incomodam nadica de nada. É só eu colocar o pé no meu lar doce lar que, pronto: necessito tirar esses trecos. Aí sim me sinto muito mais leve. Talvez esses adereços caracterizem outra minúcia minha... Eu faço uso deles todos os dias quando saio de casa. Posso ir para a padaria comprar pão, mas eu não saio sem as minhas quatro pulseiras de cristal, meu anel (que virou o anel da sorte, só para constar) e meus brincos. Esses últimos eu mudo quando me dá na telha. De qualquer jeito, todos devem ter percebido que esse conjunto é minha marca registrada. Sei lá. Eles são discretos e chamativos na medida certa. Combinam comigo, se não fosse isso não os usaria todo dia em todo lugar.  Deixo pensar em algumas outras manias minhas... Serve odiar a luz branca (maldita vez que inventaram a lâmpada fluorescente), achando-me feia só de imaginar parar em um espelho iluminado por essa luz horrível? Não suporto ficar me olhando no espelho mais que alguns poucos minutos com essa luz branca. Perdoem-me os ambientalistas, sou fã número 1 da luz amarela. Viva a lâmpada incandescente! Hahaha Lembrei de uma muito boa! Quando como alguma daquelas bolachas que vêm cheias de furinho (tipo água e sal, maisena e etc.) não consigo comê-las sem antes preencher todos os buraquinhos com MuMu. Hahaha Essa é outra coisa que me dá nos nervos. Melhor parar por aqui... Devo ter deixado claro que tenho alguns neurônios doidos.

E sabe o que eu acho disso tudo? Eu adoro! E não pretendo mudar nada em nenhuma delas...

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas