Abraça-me


Ontem eu vi que me faltam abraços. Percebi que a minha vida é pobre quando se trata de abraços. Culpa minha, dos outros, do mundo. O fato é que eu abraço pouco. De vez em quando. Lembro deles bem menos do que gostaria nas minhas memórias. Poucos abraços, poucas pessoas. Nesse quesito, estou mais do que abaixo da linha da pobreza. E o estranho é que um abraço não custa nada. É de graça, totalmente de graça. E ainda reverbera em sorrisos, espalhando coisa boa. Como só fui perceber ontem que me dói muito não abraçar e não ser abraçada? Triste, mas antes tarde do que nunca. Isso de abraçar pouco e abraçar mal acontece desde sempre, mas uma hora a ficha cai. Cedo ou tarde, a luz pisca e nos alerta que estamos perdendo preciosidades e que o tempo para recuperá-las é agora. Hoje.
Ontem eu vi que falta me abraçar mais. Sim, estou falando desse tal encontro entre eu e eu. E mais meus outros infinitos 'eus' que me compõe. Tudo tão complicado e tão lindo ao mesmo tempo. Eu mesma não me abraço, não me aninho em torno de meu corpo e da minha alma. Eu própria esqueço de me acarinhar do jeito mais quente e sincero que existe. Eu inconscientemente mascaro minha beleza e não a deixo me envolver. Abraçar-me é deixar ser como sou, do jeito que sou, do jeito que gosto de ser. Eu me enlaço em meus medos em vez de me enlaçar em meus sonhos. Dou força para quem deveria desaparecer, enquanto quem tem de crescer permanece pequeno. Vi que está passando da hora de abraçar forte a parte linda de mim e da minha vida.
Ontem eu vi que às vezes eu me esqueço de abraçar a vida. De tratá-la da forma como ela deve ser tratada. De ter calma, de não pensar que tudo está errado, que a maré não vai abaixar, que a flor não vai se abrir e que o sol não vou voltar a sorrir. Em meio a minha instabilidade, eu esqueço que um abraço também cura. Sara a alma dolorida, ajuda a cicatrizar a angústia insistente, faz sorrir o coração. Um abraço é tão bom e faz tão bem que chega a ser crime não (o)usar de seus belíssimos efeitos colaterais. Abraço é carinho. O meu, o teu, o nosso, o do mundo todo. E eu estou precisando dele, não tenho vergonha de pedir. Feio seria dizer que eu me viro sozinha, só com o meu abraço. Não, eu quero mais. Meu ser pede mais.

Vem e me abraça. Vem e me deixa abraçar. Vem e me deixa viver no nosso abraço.

Comentários

  1. Abraçar o outro é a maneira mais pungente de sentir a si mesmo.
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aham, é uma das coisas mais belas da vida, com toda a certeza. =)
      Beijos!
      Pri

      Excluir
  2. Venho lendo seu blog há pouco tempo, mas me identifiquei com muita coisa até o momento. Sempre gostei de reflexões introspectivas e gostei também da sua sinceridade ao por pra fora, escrevendo, algumas angústias que muitos guardam para si ou fingem que não existem.

    É ótimo saber que não estamos sozinhos no mundo, que as outras pessoas também têm seus receios, carências e dilemas. Geralmente todo mundo só compartilha seus bons momentos, e isso faz parecer que os outros sempre são mais felizes do que nós mesmos. Os anseios também fazem parte do homem, e devíamos saber expressar esse lado sem medo de julgamentos, da mesma forma como tu fazes.

    Eu também escrevia alguns pensamentos íntimos de vez em quando (escrever é um dos meus meios favoritos de me expressar), mas ironicamente parei com esse costume para dedicar-me a atividades menos reflexivas. Quero ver se retomo isso, é uma boa terapia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Giovanni!
      Fico muito feliz que tenha gostado dos meus textos. =)
      Eles realmente me ajudam a me entender e a me organizar (pelo menos um pouco mais, hehe).

      Aham! Agora tu falou uma verdade. Ainda mais nessa era de Facebook, as pessoas tentam ao máximo esconder o que dói nelas mesmas. Esquecem que todos somos feitos de qualidades e também de imperfeições. E o mais importante: que isso nunca foi nem será algo ruim. Somos assim, meio estranhos... Ainda bem!

      Sério? Então volte a escrever, mas sempre sem pressão. Quando te bater uma vontade, se solte pelo mundo das letras e pela tua introspecção. Com certeza vale como terapia. E sai barata! hehe (:

      Excluir
  3. Ah, parabéns pelo conteúdo do blog e... Um abraço pra ti, haha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!!
      Valeu por seguir o blog! =)
      Um abraço para ti também! hehe
      Volte sempre!
      Pri

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas